Saldo parado na conta-corrente? Descubra como ganhar dinheiro sem fazer nada e sem abrir mão da liquidez

É possível lucrar com o saldo parado na conta-corrente sem, todavia, abrir mão da liquidez diária?

Saldo parado na conta

O ritual de controle das finanças pessoais está presente na vida de todos aqueles que gastam menos do que ganham. Depois que o salário é depositado na conta, ao separar o dinheiro para as despesas e para os investimentos, é inevitável que reste um determinado saldo. Normalmente, esse saldo “flutua” ao longo do mês, uma vez que nem todos os gastos serão pagos no mesmo dia.

Não raro, dividendos de ações, juros semestrais de renda fixa e rendimentos de fundos imobiliários se somam a essa quantia. Sem que o valor seja suficientemente vantajoso para a reaplicação, o dinheiro permanece, assim, parado até o próximo mês.

Muitos investidores não se preocupam com essa situação, afinal, trata-se de uma quantia pequena. Porém, para um outro grupo de investidores, qualquer dinheiro encostado, sem rendimento, é motivo de grande ansiedade.

Como lucrar com o saldo parado na conta-corrente sem correr muitos riscos e sem abrir mão da liquidez diária?

Saiba que existe um jeito de otimizar ao máximo a rentabilidade do seu dinheiro, utilizando-se até mesmo as sobras da conta-corrente.

Saldo parado na conta-corrente

Bancos e corretoras costumam disponibilizar para os respectivos clientes serviços financeiros de aplicação e resgate automáticos, que possuem nomes diversos. Para tanto, basta que o cliente autorize formalmente a instituição financeira a fazer as aplicações e os resgates do saldo.

Logo, não é necessário se preocupar em resgatar o dinheiro para efetuar um pagamento qualquer, por exemplo. Tudo é realizado pela instituição, a aplicação escolhida aparece no extrato, e tanto o levantamento quanto o investimento são feitos no fim do dia. Portanto, observa-se que a liquidez é diária, como a da poupança.

Contudo, em razão do valor mínimo e do tipo de investimento disponibilizado – renda fixa, restrita a poucas opções – a rentabilidade da aplicação automática é normalmente diminuta. O investimento para aplicação e para resgate automáticos tem também, consequentemente, um risco baixo, pelo que o serviço é proposto. E, além disso, no prazo inferior a 30 dias, incide IOF, regressivo, e imposto de renda com alíquota de 22,5%.

Apesar da pequena rentabilidade e da enorme carga tributária, ainda assim vale a pena optar pela aplicação e pelo resgate automáticos, pois o investidor não perde com a medida, tampouco assume um risco alto com o investimento. Pelo contrário, sem fazer nada, e sem abrir mão nem da liquidez, é remunerado pelo saldo que estaria parado. É como “tirar leite de pedra”.

Posts relacionados