IOF pago por turista brasileiro no exterior é quase seis vezes mais caro ao usar cartões do que ao comprar moeda estrangeira em espécie

Em viagens internacionais, o turista brasileiro costuma pagar o imposto sobre operações financeiras – IOF tanto para utilizar cartões quanto para adquirir dólares ou euros em espécie no Brasil.

IOF câmbio euros

Muitos não sabem, a compra de moeda estrangeira pode, contudo, pesar no orçamento da viagem de diferentes formas. Enquanto a alíquota do imposto para compra de moeda estrangeira em espécie é atualmente de 1,1%, a alíquota das compras e saques no cartão fora do país é de 6,38%.

Continue lendo “IOF pago por turista brasileiro no exterior é quase seis vezes mais caro ao usar cartões do que ao comprar moeda estrangeira em espécie”

Ibovespa deveria estar com mais de 180.000 pontos para igualar o desempenho do CDI desde o Real

Em 04 de julho de 1994, o Ibovespa fechou o pregão já com a circulação da “nova” moeda, o Real. Curiosamente, o principal índice de ações da B3 caiu de 3.623, cotação do dia 30 de junho, para 3.580 pontos.

Ibovespa versus CDI

Passadas mais de duas décadas do lançamento do Real, a moeda definitivamente trouxe mais estabilidade ao país. O Plano Real pôs fim sobretudo à hiperinflação, mas, também, aumentou o poder de compra e modernizou a economia nacional.

E, não obstante as renovações consecutivas da pontuação máxima do Ibovespa nos quatro primeiros pregões de 2018, o desempenho histórico, desde o lançamento do Real, do índice de ações, que reúne os papéis mais negociados da Bolsa, é ainda muito inferior ao da taxa do Certificado de Depósito Interbancário – CDI, que serve de parâmetro para grande parte dos investimentos em renda fixa, como o Tesouro Direto e o Certificado de Depósito Bancário – CDB.

Continue lendo “Ibovespa deveria estar com mais de 180.000 pontos para igualar o desempenho do CDI desde o Real”

Sorte vale mais do que estratégia no mercado de ações?

Todos que conhecem o mercado de ações já ouviram histórias de quem, sem grande conhecimento e sem informação privilegiada, obteve ganhos súbitos com a compra e venda de ações, em razão da sorte, ou seja, em decorrência, por exemplo, de fatos imprevisíveis que causaram uma imensa valorização das ações de determinada companhia.

Pululam histórias também, até no noticiário especializado, de investidores imbuídos de intrincadas habilidades que se enriqueceram no mercado de ações. E dispendiosos cursos são geralmente atrelados a essas histórias.

Sorte e estratégia

Sabe-se então que é possível obter ganhos no mercado de ações tanto com a sorte quanto com a habilidade.

Mas a sorte vale mais do que a estratégia? Ou a estratégia vale mais do que a sorte?

Continue lendo “Sorte vale mais do que estratégia no mercado de ações?”